Logotipo do Dia da Música

Gomalakka

Alternativa, Eletrônica, Rock

São Paulo, SP

Aceita tocar no país

Integrantes

  • Ciça Bracale - Vocal
  • Flavien Arker - Baixo
  • Ale Vergueiro - Bateria
  • Rodolfo Martins - Guitarra
  • Renato Maia - Teclado

Onde já tocou

17 NOV 2017 _ ESTÚDIO LÂMINA / SP
11 NOV 2017 _ Estúdio Aurora / SP
24 JUN 2017 _ Dia da Música (Palco Howlin) LARGO DA BATATA / SP
01 ABR 2017 _ SENSORIAL DISCOS / SP
11 MAR 2017 _ ESTÚDIO SUBWAY / SP
13 JAN 2017 _ CASA BREVE / SP
20 FEV 2016 _ FUNHOUSE / SP
30 JAN 2016 _ SERRALHERIA / SP
15 JAN 2016 _ NEU CLUB / SP
19 DEZ 2015 _ Brewdog Bar / SP
02 NOV 2015 _ GARAGE ESTÚDIO / SP
20 OUT 2015 _ ASSOCIAÇÃO CULTURAL CECÍLIA / SP
17 out 2015 _ FATEC Ipiranga / SP
21 Ago 2015 _ GARAGE CLUB / SP
18 ABR 2015 _ TAG GALLERY / SP
15 FEV 2015 _ Centro Cultural ZAPATA / SP
04 DEZ 2014 _ MUNDO PENSANTE, ALT #4 / SP
29 nov 2014 _ 31a Bienal de São Paulo / SP
12 SET 2014 _ DINAMITE STUDIO / SP
05 JAN 2014 _ Espaço Cultural Walden / SP
07 DEZ 2013 _ Espaço Cultural WALDEN / SP
26 OUT 2013 _ casa Madalena/ SP
27 SET 2013 _ Purgatorium / SP

Site do artista

Biografia

Em 2005, funda o grupo Gomalakka, a partir de uma performance coletiva ocasional dentro de um banheiro de 3m2 em uma exposição de artistas independentes. Naquele evento, a ideia era criar música ambiente ao vivo, para o banheiro do espaço . Sem ensaios ou planejamentos, a coisa se desenrolou de maneira espontânea: na formação, um teclado, um bongô um baixo, além de uma escada colocada debaixo do chuveiro, da onde sem microfone ia gritando poesias autorais aleatoriamente . A música ambiente não aconteceu como prevista, mas dali nasceu Gomalakka, um grupo que fazia bases punk eletrônicas e destilava letras ácidas, de maneira orgânica, em português, usando do deboche e ironia como arma de consciência e resistência. Foi neste cenário incomum que nasceram as primeiras (proto) ideais do que a banda seria: um protesto punk-dançante transvestido de cabaré e embalado por synthpop.
Durante os 13 anos seguintes, esta proposta de terrorismo poética foi sendo lapidada, para chegar em 2018 afinada com o panorama moral do nosso país, com o Novo Feminismo e com a percepção moderna do experimentalismo – vale tocar tudo que estiver ao alcance, reler velhas técnicas com nova interpretação e explorar, não apenas o som, mas sobretudo a imagem.
O burlesco da figura de Ciça Bracale (vocal e composição) é o ponto de fuga no palco mas o que pega mesmo é a interpretação sem amarras e a força de sua voz. Um figurino faz diferença, mas original de verdade é cantar em português simples algumas metáforas sobre empoderamento ou sobre virar o mundo de ponta-cabeça. O instrumental é a plataforma, um som equilibrado entre os beats, acordes e o pulso marcado do baixo hereditário do post-punk.
Hoje, fazem parte do selo independente paulistano Howlin Records. Em 2005 lançam seu primeiro single oficial, contendo as faixas Pixe e Marrockeroll, seguidos pelo ep “Lá em cima” e single “Ressaca Moral” de 2016. Em 2017 entram em estúdio para preparar o material para o primeiro disco cheio que deverá sair em agosto de 2018. Para dançar até o teto!

Ver mais
Ver mais

Playlist do artista

Lá em cima

Pixe

Ressaca Moral

Armada pra causar

Diaba

Sans Coulotte

Chitara

Por inteiro

Gravidade

Vício

Outras músicas: The Ride, Bruxa Cretina, Insecta, Birra

Ver mais
×

Baixe o aplicativo do DDM

Com o aplicativo do evento fica mais fácil de acompanhar os shows próximos a você.

Dúvidas/FAQ