Logotipo do Dia da Música

Dinho Nascimento

Black, Blues, MPB

São Paulo, SP

Aceita tocar na própria cidade

Integrantes

  • Xantilee Lesus - Baixo
  • Paulo Assis - Guitarra
  • Paulo Pixu - Bateria
  • Gabriel Nascimento - Percussão
  • Cecília Pellegrini - Vocal
  • Anamaria Leme - Vocal
  • NAnah Correa - Vocal
  • Marcelo Kurchal - bandolim

Onde já tocou

Participou dos seguintes Eventos Internacionais: 6º e 7º Annual Samba Fest, Hartford, Connecticut, USA – 2012 e 2013; I Encontro das Culturas Negras, Salvador, Bahia – 2012; FAN – Festival de Arte Negra , Belo Horizonte (MG) – 2007 e 2012; Festival Del Caribe, Santiago, Cuba – 2007; PERCPAN - Festival de Percussão Panamericano, São Paulo (SP) – 2007; Festival “Brasil Tô Dentro, music+art+football”, Londres, Reino Unido – 2006; Copa da Cultura, Hamburg e Stutgard, Alemanha – 2006; Festival Internacional de Blues Latino, São Paulo (SP) – 2005; Festival de Inverno de Bonito, Mato Grosso do Sul – 2004; Fórum Cultural Mundial, São Paulo (SP) – 2004: e, da Mostra Internacional de Percussão "Ritmos da Terra", Campinas (SP) - 2002.

Site do artista

Biografia

Dinho Nascimento é um artista que sempre acrescenta inovações à musica brasileira. Começou eletrificando o berimbau e utilizando-o como uma guitarra; depois, passou a usar um copo deslizando na corda de seu instrumento para conceber a melodia do blues e tocar o Hino Nacional Brasileiro; criou o berimbum, berimbau super grave com corda de contra-baixo; e, formou uma Orquestra de Berimbaus.
Sua obra e performance foi objeto da pesquisa publicada pelo Professor Eric Galm no livro “O Berimbau: Alma da Música Brasileira” (University of Mississippi Press, 2010) e no artigo “Tension and Tradition: Explorations of the Brazilian Berimbau by Naná Vasconcelos, Dinho Nascimento and Ramiro Musotto” (Luso Brazilian Review 48(1):79-99, 2012). Seu berimbum é citado na enciclopédia “Popular Music of the World” publicada por Richard P. Graham e N. Scott Robinson em Ohio, USA
Seu interesse pela percussão e pelas artes em geral, manifestou-se das ruas de Salvador, sua cidade natal. Mais tarde estudou piano no Seminário Livre de Música da Universidade Federal da Bahia (de 1968 a 1971).
Em 1973 foi para o Rio de Janeiro com o Grupo Arembepe e com ele, além de gravar dois compactos simples, em 1977 abriu o show dos Novos Baianos no Teatro Municipal de São Paulo.
Possui três discos solo: Berimbau Blues – 1997, (Prêmio Sharp de Música, categoria reional) Gongolo – 2000 e Ser Hum Mano – 2005., além de Sinfonia de Arame, com a Orquestra de Berimbaus do Morro do Querosene – 2010.
Experiente, já tocou com Berimbrown, Pena Branca e Xavantinho, Zé Ketti, Clementina de Jesus, Alcione, Inezita Barroso, Batatinha, Renato Borghetti, João Bá, Walter Franco, O Terço, Bocato, Marcos Suzano, Osvaldinho da Cuíca, Tom Zé, Nasi, Quinteto Branco & Preto, João Bá, Vidal França e muitos outros. No cenário da música internacional, tocou com os instrumentistas Bill Close e Kewin Welch (EUA), Tim Winsey (Burkina Faso), Cheny Wa Gune (Moçambique) e, com a Frente 3 de Fevereiro, participou do Encontro de Agentes Culturais de Comunidades com Doudou Ndiaye Rose ( em Belo Horizonte, 2007).
Suas composições passeiam por diferentes ritmos étnicos tais como o ijexá, samba-de-roda, congo-de-ouro, barravento, coco, maracatu, tambor-de-crioula, chula, salsa, blues, rap e reggae.

Ver mais

Shows

Ainda não há shows confirmados ou em negociação

Ver mais

Playlist do artista

Mangaba da Boa

Berimbau Blues

Aguai Vem

Bulindo no Formigueiro

Ver mais
×

Baixe o aplicativo do DDM

Com o aplicativo do evento fica mais fácil de acompanhar os shows próximos a você.

Dúvidas/FAQ