Logotipo do Dia da Música

Sociedade Musical Beneficente Euterpe Friburguense

Instrumental, MPB, Samba

Nova Friburgo, RJ

Aceita tocar em todo Brasil

Integrantes

  • Nayara Boy, Josué, Nathália, Manuela - flauta transversal
  • Gilberto, Francisco, Keterson, João Paulo, Pedro, Kelvin - trompetes
  • Roberto, Enio, Marcelo, Valdir, Guilherme Coelho, Ruana, Paulo, Gabriel - Saxofones
  • Wagner, Jhonata, Tiago, Joeny, Clarice, Debson, Gabriela - trompas
  • Lucas, Tiago, Ulysses - trombones
  • Lucas, Luis Carlos - Bombardinos
  • Guilherme, Arthur, Leandro, Luiz - Tubas
  • Piter, Eli, Wellington, João, Raul - Percussão

Onde já tocou

Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Teatro João Caetano, Sala Cecília Meireles, Teatro Municipal de Nova Friburgo, Estação Livre, Praças de Nova Friburgo, Teatro do Colégio Anchieta, Ginásio do Colégio nossa Senhora das Dores, sanatório Naval de Nova Friburgo, diversas cidades do estado do Rio e outros estados.

Site do artista

Biografia

Em 1858, um navio da marinha portuguesa deixou Lisboa com destino a Buenos Aires. Já em alto mar a tripulação foi surpreendida por uma fortíssima tempestade, colocando em risco todos a bordo. Samuel Antonio dos Santos; oficial músico e regente da Banda de Fuzileiros Navais, católico fervoroso, devoto de Santo Antônio rogou então a Deus pela vida de todos; em troca prometia, na primeira cidade em que aportasse, pediria baixa da marinha e fundaria uma banda de música e uma igreja em louvor a Santo Antônio. Ao chegarem ao Rio de Janeiro salvos, Samuel pede desligamento ao comandante do navio. Na capital do Império trabalha como professor e regente até abril de 1862.

Na ocasião, por intermédio de amigos, é apresentado ao coronel Galeano das Neves, presidente da Câmara da Vila de Nova Friburgo. Sabendo que o Colégio Freeze precisava de um professor de música, imediatamente apresenta Samuel ao diretor do educandário que o contrata e traz o maestro para Nova Friburgo.

Em 26 de fevereiro de 1863, Samuel Antônio dos Santos, com pessoas influentes da cidade, funda a Sociedade Musical Beneficente Euterpe Friburguense (homenagem à deusa-musa grega, patrona da música e das artes), tendo o barão de Nova Friburgo como o seu primeiro presidente. Por 22 anos, ou seja, até 1885, além de professor foi também regente desta primeira manifestação artística e cultural da cidade. A segunda promessa aconteceria em 13 de junho de 1884, com a inauguração da capela de Santo Antônio, no Suspiro, com recursos obtidos pela diretoria da Euterpe.

Entre os ilustres admiradores da Banda consta o maestro e compositor Heitor Villa-Lobos, que em 1915, visitando Nova Friburgo, assistiu apresentação da Euterpe, aplaudindo com entusiasmo a exibição da banda.

A Euterpe Friburguense sempre esteve presente nos acontecimentos marcantes de Nova Friburgo. No dia 24 de novembro de 1932, com a Banda do Corpo de Fuzileiros, recepcionou a chegada à estação Leopoldina (atual PMNF) do presidente Getulio Vargas e comitiva.

Na segunda visita, em 30 de maio de 1943, Getulio Vargas regressa da inauguração da Exposição de Cordeiro, e na chegada é recepcionado pelo Tiro de Guerra, comandado na época pelo sargento Renato Lopes. Getulio visitou o Colégio Anchieta, Sanatório Naval e fábricas; ao sair da prefeitura, na Praça XV de novembro (atual G. Vargas), a banda executou o hino Salve Getulio Vargas.

Outro momento histórico foi o comício de encerramento da campanha vitoriosa de Juscelino Kubitscheck a presidência da república em 1955. A Euterpe foi convidada para abrilhantar o evento. Eleito, Juscelino tornou-se presidente de honra da Euterpe, sócio contribuinte e honorário até falecer em agosto de 1976.

Em seus 154 anos de glórias, alguns nomes marcaram época na Euterpe: Samuel Antonio dos Santos (fundador), Humberto Picciali da Escola de Música de Milão. No comando, Picciali de 1916/33 ousou no repertório da banda introduzindo óperas e sinfonias trazidas da Itália. João Batista Madureira da Silva, professor de música, arranjador, compositor; compôs em 1945 um dobrado homenageando a fundação da ONU. Viraria tema de abertura do “Repórter Esso”. Outros baluartes Carlos Rotary, Luiz Gonzaga Caputo de Faria, Professor Rubens Coelho Gomes. Atualmente, a Banda Euterpe é comandada pelo jovem maestro Nelson José da Silva Neto.

Na sede, o casarão do século XX arquiva-se relíquias como fotos antigas a 1ª de 1871, com o maestro Rangel; partituras de mais de 130 anos, a partitura original do 1º milheiro impresso do Hino Nacional Brasileiro. Mesmo com poucos recursos oriundos de sócios e simpatizantes foram realizadas reformas internas visando melhor acomodação dos alunos, pesquisadores e de visitantes.

Em 1992, a Banda participou do XVII Encontro Estadual de Bandas de Músicas Civis, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, convidada pelo Coordenador da entidade Estadual Eduardo Wermelinger, chamando-a de “Centenária das Centenárias”.

Em 2002 participou do XXIV Concurso de Bandas Civis da Secretaria de Cultura (RJ), na Sala Cecília Meireles, conquistando 1º lugar da classe especial em disputa com as melhores bandas do estado; das maratonas de bandas promovidas pela Secretaria de Cultura (RJ), realizadas na Sala Cecília Meireles em 2005, 2007, 2008 e 2009, com isso recebeu inúmeros convites para exibir-se em várias cidades fluminenses. Em fevereiro de 2010, convidada para entrega do prêmio aos melhores da cultura do estado do Rio de Janeiro, no Teatro João Caetano.

Em reconhecimento foi agraciada, em 2007, pela Alerj com a Medalha Tiradentes, em comemoração a 145 anos de fundação; além do título de Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro nº. 001. Além de já ser reconhecida por ser de Utilidade Pública Municipal e Estadual.

Ver mais
Ver mais

Playlist do artista

Outras músicas: Os Boemios, Maria Maria, Dengoso, Homenagem a Villa-Lobos, Suite Pernambucana, Copacabana, Carinhoso, Ponteio, Novo Tempo, Aquarela

Ver mais
×

Baixe o aplicativo do DDM

Com o aplicativo do evento fica mais fácil de acompanhar os shows próximos a você.

Dúvidas/FAQ